15 de jul de 2008

DESVENDANDO A CASA DO HOMEM SOLTEIRO

Xico Sá

Noves fora o “homem de predinho antigo”, aquela criatura que adora um pé-direito alto, um sofá de época e uma luz indireta, o macho solteiro é um desastre no capítulo decoração. Tem lá o seu sofá velho, a sua tevê, uma cama barulhenta, três ou quatro panelas – sem cabo – encarvoadas pelo tempo, e copos de requeijão, muitos copos de requeijão, alguns deles ainda com um pedaço do papel do rótulo. Se brincar, o cara coleciona também os velhos copos de geléia de mocotó, um primor de utensílio “vintage”. E quando a fofa, toda fi na e fresca, nova costela, chega lá no muquifo com a sua garrafa de champanhe?! Procura, procura as taças, para fazer uma graça com o seu mancebo... e nada. O jeito é beber Veuve Cliquot em copo de extrato de tomate. Quem mandou apaixonar-se por um macho-jurubeba autêntico, que vem a ser justamente o avesso do metrossexual – aquele mancebo da moda que se lambuza de creminhos da Lancôme e decora o loft, sim, ele mora num loft, de acordo com as tendências da revista Wallpaper.
Pior é quando ela tenta mudar tudo. E põe aquele quadro caríssimo – artista contemporâneo, tendêeencia! – numa sala que não tem nem mesmo um sofá que preste?! Um desastre.
A fofa, toda metida a besta, não desiste nunca. Aí presenteia o bofe – sim, ela está doida e Aí fi ca aquela batedeira high-tech fazendo companhia aos três pratos chinfrins e aos garfos tortos – como se o Uri Geller, aquele parapsicólogo que aparecia no Fantástico das antigas, tivesse jantado por lá ou feito faxina na área.
Ela começa a revirar geral, um deus-nos-acuda, numa casa onde ninguém havia mudado sequer uma planta de lugar. O reino vegetal, aliás, é outro ponto fraco do macho solteiro convicto – prestem atenção, amigas da UMA. Jarros, fl ores? Nem de plástico.
Na casa do homem solteiro típico, a utilidade triunfa sobre a estética. O cúmulo do utilitarismo. Sofá da tia-avó vira cama, como diz a minha amiga D., co-autora desta crônica. A cama vira sofá, a rede vira sofá e cobertor, o cobertor vira cortina preso à persiana... A falta de cortina é outra marca registrada do desmantelo do cavaleiro solitário. Quando muito, papel fi lme.
Abajur? De jeito maneira. Tosco no último, ele não tem cultura de luz indireta, nem nunca terá, esqueça.
Outro traço de personalidade do macho solteiro convicto: tudo que chega até a cozinha vira tupperware – aquelas embalagens plásticas de lasanha comprada pronta, caixinha de entrega de comida chinesa ou japonesa, potes de sorvete... Melhor assim do que as frescuras do ex da minha amiga D., a mesma acima citada. Ela entrou na casa dele e logo ouviu a advertência, em altos brados:
“Não pisa de salto no meu carpete de madeira!”.
E você, leitora, o que prefere, um homem solteiro e tosco ou aquele metrossexual cuja banqueta de cremes é de longe maior do que a sua?


Xico Sá é colunista de UMA e autor de Caballeros solitários rumo ao sol poente (Editora do Bispo)

2 comentários:

bonecadepano disse...

Caríssima, mil vezes um tosco a um metrossexual com base de unha e mais creme que eu!!!! Se for pensar em conforto, tenho minha própria casa, e nela eu viro e reviro as coisas!!! kkkkk Deixa ele com a casa dele do jeitinho que está!!! Não tem problema algum não ter taça pro champagne, só o clima já vale a pena!
Homem muito vaidoso tem algum problema, não é muito chegado em observar e valorizar uma mulher, afinal de contas, ele vai estar disputando o espelho com ela o tempo tooooodiiiiinhoooo!!! E nenhuma mocinha que goste de si mesma vai querer isso, não é mesmo?
A não ser que queira ficar desfilando com um bibelô, pois o narcisista não pode nunca, mas nunquinha, ficar menos embonecado do que a mocinha.
Ponto pros machos toscos, com barriguinha e sem muita frescura!!!
Abraços, adorei seu blog e já adicionei aos meus favoritos!!!

allyne disse...

BOM DIA ANA!! MEU E-MAIL ALLYNEAMORIM@BOL.COM.BR, GOSTARIA DE ME CORRESPONDER COM VOCÊ POIS ESTE ANO COEMÇO MINHA FACULDADE DE INTERIORES E ESTOU COM MUITAS DÚVIDAS ACHEI QUE DERREPENTE BATENDO UM PAPO COM VOCÊ PUDESSE ESCLARECER ALGUMAS DÚVIDAS. AGUARDO CONTATO ABS ALLYNE AMORIM allynemaorim@bol.com.br